Buscar
  • Célula 21 Comunicação e Marketing

Google Ads: o que é, como funciona e como usar o Google Adwords




O Google é a principal ferramenta de buscas do mundo. Você provavelmente já fez uma pesquisa no Google e encontrou alguns links em destaque no resultado ou acessou um site e encontrou um banner de anúncio em algum local da página. E com certeza, ao assistir a um vídeo no YouTube, já visualizou alguns anúncios antes ou durante os vídeos.


As três situações mencionadas acima são exemplos de diferentes tipos de anúncios no Google: Rede de Pesquisa – palavras-chave na pesquisa do Google

Rede de Dsiplay – banners em sites e blogs

Vídeos no You Tube – comerciais antes ou depois dos vídeos principais


O que todos esses anúncios têm em comum é o fato de poderem ser criados e gerenciados via Google Ads (antigo Google AdWords).




O Google Ads (antigo Google Adwords) é a plataforma de anúncios do Google, a maior ferramenta de links patrocinados da internet.


Toda pessoa que decide buscar informações no Google, busca por algo específico. Essa atitude mostra que ela tem uma intenção.


Nesse momento, a pessoa diz, literalmente, tudo o que está querendo. Ela informa qual produto está querendo comprar. E, se está procurando, é porque deseja que essa compra seja realizada rapidamente.



Dessa forma, fica fácil entender qual a importância do Google Ads e quanto ele pode trazer de lucros. Não existe melhor forma de SEM (search engine marketing).


E o melhor: a cobrança pelos anúncios é feita de acordo com os cliques (CPC) assim no caso de nenhum clique, lead ou vendas, a empresa não precisa pagar nada. Simples assim.


  • O que é o Google Ads? Como funciona o Ads no Google?

  • Como fazer o Google Ads?



O que é o Google Ads? Como funciona o Ads no Google?


O Google Ads é a plataforma de publicidade do Google (previamente chamada de Google AdWords). Por meio dele, você pode divulgar produtos e serviços na internet de forma rápida e eficiente, pagando apenas quando as pessoas clicarem para visitar o seu site, visualizarem um conteúdo ou ligarem para a sua empresa.


Uma das muitas vantagens do Google Ads é fazer com que o seu anúncio seja exibido no momento certo, para as pessoas que estão procurando aquilo que você oferece.


Seja pelo computador ou dispositivos móveis, seus potenciais clientes podem encontrar links patrocinados quando estiverem fazendo uma busca no Google, assistindo a vídeos no Youtube ou visitando sites parceiros da plataforma.



Um bom anúncio deve alcançar as pessoas certas e no melhor momento. Por isso o Ads é uma excelente opção para quem quer promover seu negócio, produto ou serviço de maneira direcionada, segmentada e também mensurável.


O PODER DE SEGMENTAÇÃO

Além de oferecer anúncios em momentos de alto interesse das pessoas, o Ads permite a utilização de diferentes formas de segmentação para que a exibição dos anúncios seja ainda mais eficaz. Confira abaixo as segmentações disponíveis:



Keywords ou palavras-chave: os anúncios serão exibidos para as pessoas que realizarem alguma busca no Google utilizando palavras ou frases que representem os produtos e serviços.


Segmentação por tópicos e canais: a plataforma permite escolher algum tópico específico (por exemplo: receitas de doces caseiros) e os anúncios serão exibidos em vários sites sobre esse tema. Também é possível escolher canais específicos do Youtube para veicular anúncios, no caso de campanhas feitas nessa plataforma.


Público-Alvo: com segmentação por público-alvo é possível exibir anúncios para pessoas que tenham um perfil estratégico para a sua empresa, mesmo quando essas pessoas estiverem navegando em websites, usando aplicativos ou assistindo vídeos que não estejam diretamente relacionados aos seus produtos e serviços.


Local de exibição do anúncio: é possível escolher onde os anúncios serão exibidos: em mecanismos de pesquisa, sites comerciais ou sites pessoais (blogs, por exemplo).

Idade, local e idioma: a plataforma permite escolher a idade, a localização geográfica e o idioma de quem será impactado pelos anúncios.


Programação (dias, horários e frequência): existe a possibilidade de exibir os anúncios em determinadas horas ou dias da semana, e escolher a frequência de exibição desses anúncios.

Segmentação por Dispositivos: os anúncios podem ser exibidos em todos os tipos de dispositivos (computadores, laptops, tablets e smartphones), e você pode ajustar quando e em quais deles seus anúncios vão aparecer.


Essas são as segmentações dentro do Google Ads, que ainda conta com a possibilidade de combiná-las para exibir anúncios criativos e com relevância, tornando o anúncio muito mais eficiente do que qualquer outro meio de mídia.


CONTROLE DE INVESTIMENTO


Com o Ads, o anunciante tem total controle sobre os valores investidos. É possível determinar quanto será gasto por mês, por dia e por campanha.

Também é possível fazer com que a cobrança seja realizada apenas quando o anúncio receber cliques (CPC), a cada 1000 impressões (CPM) ou somente quando ocorrer alguma conversão no site (CPA, ou Custo Por Aquisição).


Caso o anúncio seja em formato de vídeo, também existe o CPV, que é o Custo Por Visualização. Nele, você paga quando a pessoa assiste a 30 segundos do seu vídeo (ou ao vídeo inteiro, caso ele tenha uma duração menor do que essa) ou interage com um elemento interativo (como um botão de Call to Action), o que acontecer primeiro.



Avaliação do ROI (Retorno sobre o investimento)

Utilizando o Ads, o anunciante tem em mãos informações valiosas sobre a interação do público com seus anúncios.


É possível contabilizar as impressões e os cliques e, principalmente, saber se quem clicou realizou alguma conversão no site (como realizar uma compra, entrar em contato por formulário, fazer o download do seu aplicativo ou telefonar para fazer um pedido).


Também é possível “acompanhar” essa pessoa, e exibir novos anúncios por meio de remarketing. Tudo isso é devidamente contabilizado, para que o anunciante tenha números que vão ajudar a comprovar o retorno do investimento no Ads.


Com as informações oferecidas pelo Ads, o anunciante pode identificar quais anúncios receberam cliques e quais não estão com boa performance, priorizando o investimento onde o retorno for melhor. Esses insights, quando devidamente acompanhados, poderão aumentar o seu retorno.

A plataforma permite ver muitos outros dados valiosos, incluindo:

  • a taxa de cliques (CTR) dos seus anúncios: ela mede, em porcentagem, quantas vezes o seu anúncio é clicado a cada 100 vezes em que ele aparece. (Quanto maior for o CTR, melhor);

  • o Custo Por Clique médio das suas palavras-chave;

  • o número de conversões trazidas por cada um dos anúncios, grupos de anúncios ou campanhas;

  • o custo por conversão;

  • a quantidade de impressões (ou seja, a quantidade de vezes que o seu anúncio foi exibido em alguma página).

  • e muito mais.

Além disso, ferramentas de análise, como o Google Analytics podem e devem ser utilizadas para saber mais sobre os hábitos de compra de clientes, como, por exemplo, por quanto tempo eles tendem a pesquisar seu produto antes da compra, ou em que ponto do site podem estar abandonando o processo de compra.


Custo

O Ads é uma mídia relativamente mais barata do que outras tradicionais, ou até mesmo se compararmos com outros sites que oferecem espaço para publicidade (grandes portais, por exemplo).

Basta pensarmos no valor que é necessário para investir em mídia convencional, como TV, rádio e outdoor, e na capacidade de medir os resultados: é muito difícil mensurar e comprovar o retorno de uma mídia tradicional.

No Ads é possível começar com pouco, sentir o retorno e avaliar o comportamento do público, e só assim aumentar o investimento, gradativamente.


Como fazer o Google Ads?

A melhor maneira de utilizar todos os recursos disponíveis na plataforma é conhecendo como ela funciona e também o que ele pode te oferecer. Simples, funcional e intuitivo, o Google Ads tem tudo para se tornar um grande aliado em sua estratégia de Marketing.

A seguir, vamos conhecer os tipos de campanha que você pode criar e também qual o melhor momento para usar cada uma delas.


Rede de Pesquisa

A Rede de Pesquisa é o principal formato de anúncios do Google Ads e também a mais simples para criar campanhas, por não exigir nenhuma imagem, vídeo ou cadastro prévio da sua empresa no Google Meu Negócio (como é o caso das campanhas locais, que veremos adiante).


Indicada para quem busca aumentar vendas e gerar leads, ela é composta pelos resultados de busca do Google e de sites parceiros. Os anúncios são exibidos em áreas de destaque nos resultados da busca — normalmente nas 4 primeiras posições — e, para palavras-chave de alta concorrência, também nas 3 últimas posições:



Além dos sites de pesquisa do Google (o próprio Google, o Google Play e o Google Shopping), também fazem parte da Rede de Pesquisa os resultados de busca de grandes portais como UOL, Terra, e também sites menores que contam com mecanismos de busca internos e fazem parte da rede de afiliados do Google, o Google AdSense.


A principal vantagem de anunciar na Rede de Pesquisa é que os anúncios são exibidos para pessoas interessadas, ou seja, que estão pesquisando informações sobre serviços e produtos de alguma empresa, o que aumenta as suas chances de receber um clique.


Suas principais limitações são a alta concorrência por algumas palavras-chaves (o que pode ocasionar um Custo por Clique bastante elevado) e a dificuldade de escala, quando o volume de buscas é baixo (afinal, por maior que seja o seu orçamento, você só poderá alcançar a quantidade de pessoas que estão buscando por aquelas palavras-chave).


Apesar disso, a Rede de pesquisa ainda é a melhor opção para começar a anunciar sua empresa no Google.



Rede de Display

A Rede de Display utiliza formatos visuais de anúncios, como imagens e vídeos, e alcança mais de 90% dos usuários da Internet em todo o mundo. Por isso, é indicada para campanhas de reconhecimento de marca, consideração sobre um produto e também para remarketing.

Ela é composta por milhares de sites, de diversos segmentos — como o nytimes.com e o weather.com, por exemplo — e também sites específicos do Google, como o Google Finance, Gmail, Blogger e YouTube, que exibem anúncios do Ads. A rede inclui também sites e aplicativos para mobile (dispositivos móveis).


Ao contrário da Rede de Pesquisa, que trabalha com a intenção de busca do usuário, a Rede de Display permite que você alcance um público maior com os seus anúncios, segmentando-os por:

  • contextos específicos (por exemplo: sites que falam sobre decoração de ambientes internos);

  • públicos-alvo específicos (por exemplo: jovens mães);

  • locais específicos;

  • e muito mais.

Ao exibir anúncios na Rede de Display do Google, o anunciante pode alcançar uma ampla gama de clientes com vários interesses e momentos diferentes no ciclo de compra, exibindo anúncios com diversos formatos: texto, gráfico, em vídeo ou rich media.



Por exemplo: uma mãe realizou algumas pesquisas sobre as melhores tintas para pintar o quarto do seu filho. Encontrou, por meio do Google, um blog com algumas dicas, e nele havia um banner de uma loja de tintas, disponibilizado por meio do Ads, oferecendo uma promoção para uma das marcas pesquisadas.

Esse anúncio tem grandes chances de converter, justamente pelo momento da jornada de compra no qual ela se encontra.

Uma das maiores vantagens da Rede de Display é a possibilidade de selecionar, de forma detalhada, os assuntos da página ou sites em que os anúncios serão exibidos e para qual público-alvo.


Em resumo, a Rede de Display permite:

  • criar todos os tipos de anúncios: de texto, gráfico, interativo e em vídeo;

  • colocar esses anúncios em sites que sejam relevantes para o produto e/ou serviço que será vendido;

  • exibir esses anúncios para pessoas que provavelmente já estão ou ficarão interessadas;

  • gerenciar e acompanhar seu orçamento, campanhas e resultados durante o processo, assim como também é feito na Rede de Pesquisa.

Como desvantagem, a Rede de Display tende a ser um pouco mais difícil de criar, uma vez que exige a elaboração de uma peça de design atraente para o seu anúncio, e em medidas muito específicas de banners.


Além disso, por ser mais abrangente e aparecer em momentos que as pessoas não estão, necessariamente, fazendo uma busca por um produto ou serviço, sua taxa de cliques tende a ser menor que a da Rede de Pesquisa.



Campanhas locais


Sabe quando você pesquisa, no Google, algo como “restaurante perto de mim” e ele te mostra um mapa com todas as opções de restaurantes ao seu redor?


É aí que as campanhas locais entram.


Com elas, você cria anúncios que vão ajudar os seus clientes a encontrarem o seu estabelecimento físico.



Na prática, o Google mostra um mapa, com a sua empresa em destaque, para uma pessoa que esteja procurando empresas como a sua naquela região.


Os campanhas locais podem aparecer na página de resultados de busca (como na Rede de Pesquisa) ou na forma de um anúncio visual, em um site ou aplicativo parceiro (como na Rede de Display).

Inclusive, seus anúncios também poderão aparecer no Google Maps:










Para criar uma campanha local, você precisa, antes, cadastrar o seu estabelecimento no Google Meu Negócio.













YouTube Ads

Todos os dias, centenas de milhares de pessoas acessam o YouTube e assistem a mais de seis bilhões de horas em vídeos.

São pessoas procurando entretenimento, informações, dicas e soluções para problemas. Não é à toa que o YouTube se tornou o segundo maior buscador online, perdendo apenas para o próprio Google.

O YouTube pertence ao Google, e, justamente por isso e por seu número absurdo de visitas, não ficaria de fora da Rede de Display do Ads.

É possível exibir diversos formatos de anúncios dentro do YouTube. Também é possível decidir onde e quando um anúncio em vídeo será exibido e determinar uma audiência, formada por clientes em potencial.

Formatos de anúncio para o YouTube

  • Anúncios in-stream puláveis: são aqueles vídeos em que você tem a opção de pular após 5 segundos. Neste caso, você só paga quando o usuário assiste a mais de 30 segundos do seu vídeo (ou ao vídeo inteiro, caso a duração seja menor) ou clique em um botão de Call to Action, o que acontecer primeiro. São indicados para campanhas com objetivo de geração de vendas, leads, tráfego ao site, reconhecimento de marca ou consideração de um produto;


  • Anúncios in-stream não puláveis: são vídeos de até, no máximo, 15 segundos, em que não é possível pular. Neste caso, você paga um valor para cada mil visualizações (CPM). Eles aparecem em vídeos no Youtube e em sites parceiros, antes, durante ou depois de outros vídeos, e são indicados para campanhas de reconhecimento de marca e alcance;


  • Anúncios video discovery: são vídeos sugeridos ao usuário quando este faz uma busca por uma palavra-chave no Youtube. Eles aparecem na página de resultados de buscas, na coluna de vídeos relacionados e na página principal do Youtube no mobile. Seu formato conta com uma thumbnail e uma descrição, assim como qualquer outro vídeo, e são indicados para campanhas de consideração da marca e de um produto. Você só paga quando os usuários clicarem para assistirem ao vídeo.


  • Anúncios bumper: parecidos com os anúncios in-stream não puláveis, o formato bumper comporta vídeos de, no máximo, 6 segundos, que também não podem ser pulados. Eles aparecem em vídeos no Youtube e em sites parceiros, antes, durante ou depois de outros vídeos, e é indicado para campanhas de reconhecimento de marca e alcance.



  • Anúncios de masthead: Masthead é a parte superior da página inicial do YouTube. Esses anúncios são feitos sob encomenda, direto com um representante de vendas do Google. Eles são indicados para campanhas rápidas, como um evento promocional, e são cobrados por dia de veiculação (CPD).

  • Anúncios de ação em vídeo: este é o mais novo formato de anúncios, criado para ajudar empresas durante o período de isolamento social. Na prática, ele combina as estratégias do vídeo in-stream pulável e do vídeo discovery, dando ao usuário a oportunidade de navegar por um catálogo de produtos, visualizar preços e, por fim, clicar em um botão “Shop now” (“Comprar agora”). É indicado para campanhas com objetivo de conversão.


Google Shopping


Se você possui um e-commerce com muitos produtos ou possui algum cliente que quer anunciar sua loja online, deve estar pensando:


“Como vou fazer para anunciar uma lista enorme de produtos? Vai demorar anos para criar todos os anúncios, não tem como fazer tudo isso à mão!”


Existe uma possibilidade no Ads que pode ajudar nesses casos, e que proporciona ótimos resultados para lojas online.


Com os anúncios de Google Shopping, é possível criar campanhas para promover os produtos de e-commerce, intensificar o tráfego para o site e até mesmo para lojas físicas, além de gerar leads mais qualificados.




Para anunciar no Google Shopping é necessário enviar os dados dos produtos para o Google Merchant Center utilizando um feed de dados (normalmente, um arquivo xml contendo todas as especificações sobre os produtos, preços e imagens).


Em seguida, criar uma campanha no Google Ads, que utilizará as informações do feed de produtos do Google Merchant Center para determinar como e onde os seus anúncios serão exibidos.

Nesse formato, os anúncios não utilizam palavras-chave na segmentação, e sim as informações do feed, que o Google vai relacionar com o que as pessoas estão buscando.


Depois que as informações são fornecidas, o Ads poderá criar anúncios dinamicamente, que serão exibidos na Rede de Pesquisa do Google e em toda Rede de Display, onde todos os clientes em potencial poderão ver os produtos.



Esses anúncios de produtos se diferem do simples anúncios de texto porque exibem uma foto do produto, além de título, preço, nome da loja e outras informações relevantes.

Esse tipo de informação dá às pessoas uma boa noção sobre o produto vendido antes de clicarem no anúncio. O resultado disso são cliques mais direcionados e leads mais qualificados, afinal eles já têm informações suficientes para avaliar se realmente tem interesse ou não pelo produto.

Seus anúncios do Google Shopping podem aparecer ao mesmo tempo que um anúncio de texto na Rede de Pesquisa. Isso é possível para que os usuários tenham os mais variados tipos de informações e opções sobre o produto antes mesmo de clicarem em uma página, aumentando as chances de compra.



Campanhas para Aplicativos Móveis

Se sua marca possui um aplicativo, o Ads tem diversas possibilidades para fazer com que as pessoas façam download ou interajam com ele.


Campanha de instalações de apps para dispositivos móveis

Esse formato permite promover seu aplicativo na Rede de Pesquisa, Rede de Display ou YouTube, com o objetivo de gerar mais instalações do aplicativo.


Campanha universal para apps

Com esse formato, você poderá divulgar uma campanha no Google Play, na Pesquisa do Google, no YouTube e em outros aplicativos para dispositivos móveis que vão levar as pessoas à listagem do seu app na Google Play Store


Campanhas de engajamento com apps

Para quem quer encontrar pessoas com interesse no conteúdo do seu aplicativo ou fazer com que quem já instalou seu aplicativo volte a usá-lo novamente, ou realize uma ação.


Campanhas apenas para chamadas (call only)

Para empresas que preferem receber chamadas telefônicas, ou até mesmo para as que não possuem um site, é possível configurar uma campanha só para chamadas. Com essa opção, em vez de cliques, os lances vão gerar chamadas telefônicas automáticas, e não um redirecionamento a uma página.

Agora que já conhecemos as diversas possibilidades que o Ads possui, vamos entender como o Google determina o posicionamento dos anúncios, os leilões e o custo dos cliques.


Remarketing

Sabe quando você acessa uma página de um produto e depois tem a sensação de que aquele produto está te perseguindo em outros sites e até mesmo em aplicativos?

Este é o remarketing!


Essa estratégia de exibir novamente um anúncio de algo que havia despertado o interesse de um usuário anteriormente é chamada de remarketing.


Por meio dele, é possível alcançar as pessoas que já acessaram seu site ou usaram seu aplicativo. Esses “visitantes anteriores” podem ver seus anúncios enquanto navegam em sites que fazem parte da Rede de Display do Google ou quando realizam novas pesquisas por termos relacionados.

E qual a principal vantagem do remarketing?


Se você já ouviu falar de taxa de conversão, então talvez já tenha reparado que a maior parte dos visitantes do seu site NÃO vai fazer uma compra na primeira visita.

Em e-commerces, por exemplo, a cada 100 pessoas que entram no seu site pela primeira vez, apenas 1 ou 2 vão comprar alguma coisa. Porém, esse número tende a aumentar quando a mesma pessoa já interagiu com a sua marca antes.



Para configurar o remarketing, é necessário inserir a tag de remarketing nas páginas do site ou aplicativo, fornecida pelo Google Ads.

Quando as pessoas acessam as páginas que estão com essa tag, é como se elas fossem “marcadas” durante um tempo determinado. Essa marcação é o que as identificará para o remarketing.

Em seguida, são definidas as listas compostas por essas pessoas “marcadas” que acessaram ou realizaram alguma ação específica, criando campanhas de remarketing.

Tipos de remarketing do Google Ads:

  • Remarketing padrão: os anúncios são exibidos aos visitantes anteriores enquanto eles navegam em sites e aplicativos da Rede de Display.


  • Remarketing dinâmico: é possível exibir anúncios gerados dinamicamente, isso é, criados pelo próprio Ads para pessoas que visitaram o site anteriormente, com produtos e serviços que eles visualizaram enquanto navegam em sites e aplicativos da Rede de Display.


  • Remarketing para dispositivos móveis: é possível exibir anúncios para pessoas que já usaram seu aplicativo ou site mobile (para dispositivos móveis) enquanto elas usam outros aplicativos ou acessam outros sites.


  • Listas de remarketing para anúncios da Rede de Pesquisa: é possível exibir anúncios a pessoas que já visitaram seu site enquanto elas continuam pesquisando o que precisam no Google, depois de sair do seu site. Neste caso, você pode aumentar o valor do lance oferecido pelas palavras-chave, quando elas são buscadas por este público.


  • Remarketing em vídeo: as pessoas que interagiram com seus vídeos ou seu canal do YouTube também podem ser impactadas novamente, enquanto navegam no YouTube e em outros vídeos, sites e aplicativos da Rede de Display. Inclusive, o Ads também oferece a opção de anunciar uma sequência específica de vídeos e, assim, construir um funil de vendas para o seu produto.

Públicos-alvo semelhantes, o “Lookalike” do Ads

Com o remarketing do Google, é possível alcançar pessoas que já acessaram seu site e exibir anúncios para um público que já possui algum interesse em seus produtos e/ou serviços.

Mas e se fosse possível encontrar novas pessoas com características semelhantes a quem já é cliente seu ou já demonstrou algum interesse? Isso também é possível, da mesma maneira que no Facebook Ads.


Com o recurso “Públicos-alvo semelhantes”, o Ads encontra pessoas com características em comum com os visitantes de seu site.

Ao adicionar “Públicos-alvo semelhantes” a seu grupo de anúncios, é possível exibi-los para pessoas cujos interesses são semelhantes aos dos visitantes de seu site. Assim, é possível alcançar novos clientes em potencial, com grandes chances de conversão.



Conclusão

Agora que você se familiarizou com o Google Ads e as vantagens que ele oferece, está na hora de começar a implementar essa ferramenta na estratégia de marketing do seu negócio.


Avalie os momentos que seu público pode ser impactado pela plataforma, e identifique em qual momento de decisão ele está. Com essas informações e análises, é possível criar campanhas que realmente são efetivas, e identificar de fato qual é o tipo de campanha que traz o melhor retorno.


E lembre-se se você precisar de ajuda, para promover o seu negócio, entre em contato com o time de especialistas da Célula 21.


#celula21 #google ads #gestaodetrafegobrasil #campanhasonline #marketingdigital

4 visualizações0 comentário